A Outra História Americana (1998)

Não é apenas um retrato da dura realidade que temos em nossa sociedade desde tempos atrás, mas também uma reflexão a respeito do que o ódio e a influência podem causar às pessoas. Sabemos que no decorrer da história da humanidade, muitos foram os líderes e suas conquistas quando se fala na luta contra a discriminação racial, mas a verdade é que ela ainda está viva em nosso meio. Brancos odeiam negros e o que eles fizeram à sua sociedade “limpinha”. Negros não toleram brancos e suas indiretas racistas. E assim eles permanecem nessa disputa sem ao menos saber o porquê e de onde isso veio.

O filme conta a história de Derek Vinyard (Edward Norton), filho mais velho de uma família de classe média alta, que, após a morte do seu pai, coloca para fora toda a sua ira e rebela-se contra todos aqueles que causaram – acredita ele – os desajustes sociais em sua sociedade americana “limpa e justa”, e roubaram seus direitos. Torna-se, então, líder de uma gangue racista seguidora dos princípios neonazistas que tem como objetivo varrer esses “parasitas” de sua comunidade branca.

Porém, o ponto crucial da história não é fazer valer os ideais nazistas, e sim transmitir a reabilitação de Derek na cadeia (preso por matar dois homens que tentavam assaltar seu carro), ao reaver seus conceitos e tentar achar a razão pela qual entrou nesse mundo de ira e ódio. Paralelamente, seu irmão mais novo, que o tem como ídolo e herói, está ingressando no mesmo caminho e continuando o legado Vinyard. O que ele não espera é que Derek volte totalmente transformado após cumprir seus três anos de pena, e queira consertar o que fez de errado.

Tratar de um assunto tão polêmico e bastante repercutido requer muita responsabilidade, e Tony Kaye a assumiu com grande maestria, conseguindo sensibilizar a todos com essa forte retratação da violência como consequência da xenofobia, como também refletir o poder da influência que pessoas que amamos têm sobre nós.

A produção possui uma fotografia belíssima com incríveis planos em preto e branco para apresentar flash backs. Em contrapartida, temos o desenrolar da história em tempo real sendo narrada por Danny Vinyard (Edward Furlong). Roteiro fantástico (David McKenna) com um ótimo desenvolvimento, que nos prende do início ao fim com diálogos e cenas memoráveis. E o que não poderia faltar para a excelente concretização do filme: atuações impecáveis; com destaque para Norton (indicado ao Oscar de melhor ator) e Furlong que foram gigantes em cena, transmitindo ira e sofrimento através do olhar.

Grandiosa produção que cumpre o escopo de mostrar de onde vem o racismo e o que o faz invadir a vida de certas pessoas, as deixando completamente cegas, irascíveis e propensas à violência; tal como o ódio, que, como o próprio Danny conclui, é um peso e não vale a pena. Um filme deve ser magnífico na técnica e arrebatador na capacidade de comunicar suas pretensões. É exatamente isso que “A Outra História Americana” nos deixa.

________________________________

Lincoln Ferdinand

8 respostas para A Outra História Americana (1998)

  1. Igordx disse:

    Esse filme num é muito meu gênero, mas a história parece ser boa e a década de 90 trouxe muita coisa boa para a industria cinematográfica.

    Vou dá uma chance e assistir quando tiver oportunidade!

  2. Natalia Xavier disse:

    Concordo, não é facil fazer filmes nao só com este tema mas com esta linguagem expondo um personagem com um pensamento bastante controverso à grande maioria que resolve assistir.

    No entanto, é uma belissima produção e a dupla de “edwards” mandou mto bem.

    Deu até vontade de assistir de novo!

    Abs!

  3. Igor disse:

    Parece que a pena cumpriu a função que lhe cabe a prevenção especial positiva no caso em análise. Eu e Iann gostaríamos de assistir ao filme.

  4. Muito bom filme, abordagem densa e contundente…para mim, é um absurdo Norton não ter sido laureado com o Oscar aqui.

    abraço

  5. joão paulo disse:

    esse filme é um tesouro perdido dos anos 90. com boa história e interpretaçoes maravilhosas de edward nortn e edward furlong, marcou época. showww

  6. Crítica de alto nível, em consonância com a grandeza do filme.
    Meus parabéns Lincoln e Marcelo.
    O blog está muito interessante!

  7. Gosto muito do filme, mas acho que há um hiato na redenção do personagem na cadeia. Ela não me convence. As atuações são ótimas, a direção tem bons momentos, mas essa resolução rápida tira um pouco do filme, além do final previsível.

  8. zumbitv disse:

    Escrevi um artigo sobre o filme contando o grande problema ideológico de “controle de mentes” que ainda existe hoje. Indico aqui: http://lounge.obviousmag.org/fabulas_do_mundo_esquecido/2014/07/os-dois-lados-racistas-de-a-outra-historia-americana.html

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: