Pequena Miss Sunshine (2006)

A crítica que segue contem muitos spoilers. É que não dava para falar de “Pequena Miss Sunshine” e da reação estranha que tive ao assisti-lo, sem revelar trechos importantes da trama.

As marcas trazidas pelo fracasso representam bem mais do que lembranças ruins. Por conta da experiência da dor da derrota, tentamos trilhar o caminho que dá certo, e nossa personalidade permanece em constante evolução. Portanto, a forma de lidar com a fatalidade da perda está relacionada com a capacidade de aprender.

“Pequena Miss Sunshine” conta a história de Olive Hoover, menina de 7 anos que tinha o sonho de ser miss. Era barriguda, como muitas crianças da mesma idade, desengonçada e desarrumada, quando comparada às bonequinhas de cera que participam desse tipo de concurso. Olive não tinha muitos talentos artísticos, mas garantia que sabia dançar, com a ajuda de seu avô Edwin, que havia criado uma coreografia para a apresentação da garota no concurso Pequena Miss Sunshine.

O tio de Olive, Frank, era gay e se recuperava de uma tentativa de suicídio; o irmão, Dwayne, fazia greve de silêncio; o pai, Richard, era um homem que não admitia a derrota, embora fosse um bom exemplo dela; a mãe, Sheryl, procurava conduzir com mais leveza os impasses da família. Juntamente com o avô Edwin, todos toparam enfrentar uma longa viagem para tornar possível o sonho da caçula. E dentre diversos obstáculo, como o defeito da Kombi que só pegava na segunda marcha, e a morte de Edwin, conseguiram chegar ao local do concurso.

“Pequena Miss Sunshine” foi um filme de produção independente e baixo orçamento que surpreendeu Hollywood pela genialidade do roteiro e atuação do elenco. Tem uma ótima fotografia que explode em cores, no contraste, por exemplo, entre a kombi amarela, o céu azul, e a camisa e botas de cowboy vermelhas de Olive. Destaca-se também o desempenho de Alan Arkin (ganhador do oscar de melhor ator coadjuvante) no papel do carismático avô Edwin. A cena em que tenta convencer Dwayne a transar com o máximo de mulheres possível durante a juventude, e que defende o uso de drogas somente após a senilidade é hilariante.

Momentos antes da apresentação, a família constata que, diante de acrobacias, contorcionismos, e afinação vocal das concorrentes, Olive talvez não tivesse a menor chance de se sobressair. Com o intuito de poupá-la, Sheryl a deixa livre para desistir. Olive decide que continua. E quando pensei que ela faria uma apresentação magnífica que tocaria o coração dos jurados e lhe daria a vitória, como poderia fazer crer o velho clichê do cinema, certifico-me de que o escroto avô Edwin, com toda boa vontade do mundo, havia ensinado a menina a dançar como uma striper atrapalhada ao som de You Can’t Touch This do Mc Hammer.

A família, que anteriormente não conhecia o teor da coreografia de Olive, entrou em desespero. Para evitar a interrupção da interpretação da menina, Richard socou o apresentador do evento, e para que Olive não fosse humilhada sozinha, Frank, Dwayne e Sheryl realizaram o belo gesto de invadir o palco para dançar com a garotinha. Foi nesse momento que, em meio a gargalhadas frenéticas, verti minhas primeiras lágrimas de emoção. Após o término do filme, continuei por vinte minutos experimentando a inédita sensação de rir feito um maluco e chorar emocionado ao mesmo tempo.

Olive foi desclassificada e a polícia proibiu a sua participação em concursos de miss no estado da Califórnia. Ela estava levando consigo uma de suas primeiras marcas do fracasso. Ou talvez o avô Edwin estivesse certo ao dizer que os verdadeiros perdedores são aqueles que não tem coragem de tentar.

________________________________

Marcelo Cardins

12 respostas para Pequena Miss Sunshine (2006)

  1. Emmanuela disse:

    Este filme é realmente um fenômeno, ele possui a capacidade invulgar de emocionar e divertir simultaneamente. Depois do final, é difícil tirá-lo do imaginário! Ótima escolha do blog!!

  2. Igordx disse:

    ja assisti…
    Muito legal esse filme, os personagens sao muito bem trabalhados..

  3. Natalia Xavier disse:

    Adoro esse filme! É um tapa na cara para os clichês Hollywoodianos super óbvios que trazem na trama aquele final emocionante que o menos indicado conquista o premio.

    Tb chorei na parte em que a familia toda sobe pra dançar.

    Abs!

  4. Filipe Ferraz disse:

    Haha

    Abigail está demais!

  5. Poxaa, quem escreveu a crítica acima? Adorei! Ainda não assisti o filme, mas com essa crítica vou assiti sim!!
    Muito bom!

    ;)

  6. ACN disse:

    Um dos melhores filmes dessa década!

  7. Jitana disse:

    kkkkkkkkkkkkkk
    me senti assistindo o filme de novo!
    muuito boa Marcelo!

  8. Emmanuela disse:

    Estão sumidos ! Aguardo novas atualizações ! Um abraço !!

  9. Também choro nesse momento em que a família dança junto com Olive. Comédia e drama sempre bem trabalhados, atuações maravilhosas, filme fantástico.

  10. […] mas os sintomas sumiram. Quem quiser ver minha análise a respeito do filme no Cinemafia, clique aqui.“ – Marcelo Cardins – do […]

  11. shayane disse:

    esse é uma comedia muito loco

  12. ...... disse:

    O filme é muito bom!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: