Não Me Abandone Jamais (2010)

Um daqueles filmes que demoram para sair da cabeça. E como demoram. Tem algumas semanas que eu o vi e ainda não consegui esquecer todas as questões tão delicadas apontadas no longa.

Tentar entender o motivo de estarmos aqui, no mundo; pensar se vale a pena saber que temos um propósito; questionar o quanto é bom/ruim ‘prever’ quando vamos morrer. Temas tão pesados quanto a leveza do filme.

É assim que Mark Romanek adaptou do romance de Kazuo Ishiguro: criando o ambiente seguro de uma história de amor com um entorno conturbado de questões filosóficas.

A história começa focada em três crianças, Kathy (a protagonista, estrelada pela talentosa Carey Mulligan), Tommy (Andrew Garfield) e Ruth (Keira Knightley), que passam sua infância em um rigoroso colégio interno. Lá são obrigados a produzirem os mais diversos tipos de arte (trazendo mais uma discussão à mesa: a arte é reflexo da alma?), se comportarem exemplarmente e se prepararem para o futuro.

E qual seria esse futuro? A verdade é que todos aqueles meninos e meninas haviam sido concebidos (leia-se clonados) apenas com o objetivo de serem doadores de órgãos.

Vi que na maioria das sinopses conta-se mais do roteiro do que isso, mas não quero estragar a surpresa dos meus leitores. Vou parar por aqui e torcer para que corram atrás de um dos filmes mais densos que vi do ano de 2010.

O poder do cinema fica evidente em “Não Me Abandone Jamais”. Obviamente vão surgir muitos reclamando sobre o quanto o filme é ‘parado’, ‘chato’ e ‘dá sono’. Infelizmente, esses não captaram a beleza e feiúra envolvidas nesses 103 minutos.

Observar a passividade dos personagens perante o seu destino equivale a milhares de sessões de terapia. Não tenho o que reclamar de nenhum ator do filme, mas há de se destacar Carey Mulligan, que dá uma aula de interpretação a cada segundo de filmagem.

E se você sai do cinema querendo saber onde está o chão, o mais gostoso é constatar que, diante de tantas emoções, Romanek construiu um filme extremamente frio. Uma daquelas coisas que são impossíveis de ser explicadas, mas necessárias de serem assistidas.

E eu não vou colocar trailer dessa vez pois não foi lançado nenhum, e sim um ridículo resumo do filme, mostrando inclusive o seu final. Considero isso um desrespeito com o espectador e fico torcendo para que vocês confiem em mim para perder/ganhar algum tempo assistindo-o inteiro.

________________________________

Renata Nóbrega

6 respostas para Não Me Abandone Jamais (2010)

  1. Gabriel Neves disse:

    Acho esse filme incrível, é o existencialismo pessimista de Romanek encenado por 3 ótimos atores que captam o tom certo da emoção. Uma pena que esse ensaio sobre humanidade não tenha sido falado por aqui, nem muito reconhecido internacionalmente.
    Abraços.

  2. Cesar disse:

    Assisi o filme, é simplesmente sensacional.

  3. Junior disse:

    Vi esse filme achei muito ruim a ponto de dormir…fala sério!

  4. May disse:

    Noossa, tô morrrendo de vontade de assistir esse filme, mas não tem aki na minha cidade. Vou ter q baixar msm!

  5. vitor disse:

    junior vc não sabe o que é cinema para criticar um filme desse porte! sinto muito por vc!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: