Alice nas Cidades (1974)

_____________________________________________________________________________________

As obras de Jarmusch chegaram ao fim (aqui no blog), mas agora falarei de duas obras de alguém que foi muito importante para que elas tivessem um bom começo. Eu falo é do diretor alemão Wim Wenders que foi um grande influenciador para a carreira do norte-americano.

É inevitável que todos nós tenhamos algum tipo de expectativa para cada filme que iremos assistir. Entretanto, há uma espera comum a todos desde o momento do play: a expectativa de que algo menos ordinário aconteça no decorrer da trama. Alice nas cidades é diferente. A proposta desse longa e, claro, de Wim Wenders é simplesmente essa gratuidade dos acontecimentos. O filme inteiro é uma quebra de expectativa quanto ao extraordinário; eficiente, porém. Esse longa é o primeiro da trilogia de Road movies do diretor, ou seja, filmes passados em viagens, sempre repleto de imagens contínuas; seguido por Movimento Falso (1975) e Reis da Estrada (1976), todos contando com o mesmo ator principal.

Baseado nas primeiras viagens de Wenders às Américas e influenciado pela sua obsessão pela cultura americana, o diretor criou um personagem que possuísse certa verossimilhança com ele mesmo para retratar seu impressionismo sobre a vida e das paisagens. Philip Winter (Rüdiger Vogler) é um repórter alemão encarregado de contar as histórias e impressões vivenciadas em sua viagem aos Estados Unidos. Se vendo perpassado por um bloqueio que todo jornalista já sofreu, Philip não consegue escrever praticamente nada. Porém, o personagem traz consigo uma polaróide a qual usa para retratar os lugares por onde passa.

Quando Philip leva seu material à correspondência de seu jornal em New York, eles nada se interessam pelos seus retratos e muito menos por suas poucas anotações. O personagem então se vê obrigado a voltar para Munique, mas é barrado por uma greve dos controladores de vôo e só teve a alternativa de voar no dia seguinte até Amsterdã. No aeroporto ele encontra uma alemã e sua filha Alice na mesma situação dele. Não sabendo falar muito bem o inglês, essa mulher recebe a ajuda de Philip. Então vão para o mesmo hotel e combinam de pegar o vôo juntos no dia seguinte. Amanhecendo, a mãe abandona a filha nas mãos do até então estranho e vai atrás de amores não resolvidos. Deixa um bilhete para Philip dizendo que os encontrará no dia seguinte no aeroporto de Amsterdã.

Não podendo esquecer a simplória analogia que o diretor faz a obra de Lewis Carroll, Alice e o “chapeleiro maluco” começarão a viajar pelas cidades da Europa já que a mãe da menina não cumpriu o trato. Se propondo a achar a família da pequena, juntos viajam. O filme preto e branco e com imagem granulada reflete a solidão vivida por Philip. Não teria nexo algum se no meio do filme tudo ficasse colorido. Além de ficar feio, a explicação reside no fato de que, mesmo depois de encontrar Alice, o longa ainda quer mostrar a solidão; porém, desta vez, a dois.

A beleza da obra de Wenders está em seu significado. Encantado com poder do cinema de dá movimento às imagens, o diretor constrói esse belíssimo Road movie existencialista. Pois o personagem, antes de conhecer a pequena, vivia um drama interno em busca de sentido para viver. Eis a explicação para as fotos tiradas por ele – as imagens eram tidas como uma comprovação de que ele realmente tinha visto aquilo, que ele existia. Novamente, aqui aparece a verossimilhança do diretor em busca de imagens para seu filme metafórico e a magia que o cinema lhe proporcionara em poder registrá-las.

Em suma, Alice nas cidades faz valer o tempo gasto assistindo. Os diálogos que pode haver entre um homem e uma menina de 9 anos são impressionantes. É altamente agradável assistir a esse longa que mostra, simplesmente, uma sucessão de acontecimentos. A amizade que nasce entre os personagens – ele pela solidão e ela pela carência paternalista – é linda de se vê. Enfim, chega a ser engraçado como um filme de acontecimentos tão ordinários desperta em nós uma sensação extra.

________________________________

Ezequiel Fernandes

2 respostas para Alice nas Cidades (1974)

  1. Gabriel Neves disse:

    Meus parabéns, o poder de suas palavras é forte e esse filme me chamou a atenção exatamente pela sua abordagem com ele. Fiquei com vontade de ver.
    Abração.

  2. licedoa disse:

    Adoro road movies e adorei a proposta do Wim Wenders para esse filme. Não conheço os trabalhos dele, mas ele parece ter filmes bons.
    =1

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: