Ensaio Sobre a Cegueira (2008)

Embora o filme seja bem claro no que quer passar, sua temática é muito complexa. Eu queria, pelo menos, ter tido a competência de ter lido o livro para não ficar tão acanhado por possuir um conhecimento tão raso a respeito de tal. Farei um breve comentário do filme, pois, até onde minha miopia intelectual permitiu que eu enxergasse.

Por falar em não enxergar…

A obra adaptada do romance de José Saramago, fala de uma cegueira que atingiu a população repentinamente, safando o personagem de Julianne Moore (esposa do doutor). Os afetados são colocados em quarentena à mercê do Estado e a esposa do doutor (Mark Ruffalo é o doutor) finge a cegueira para acompanhar o marido. E é nesse contexto que o ser e o humano entram em conflito.

A trama é brutal e sensível, ao mesmo tempo, porque sua metáfora está escancarada e o espectador facilmente capta a mensagem; e o filme faz sua reflexão e não joga todo o trabalho para o cinéfilo. Assim como Saramago disse ter sofrido escrevendo o livro e assistindo ao filme, sofremos também quando assistimos e paramos para pensar que somos seres e humanos e que, uma hora ou outra, um desses sobressai.

A direção de Fernando Meirelles é muito competente e ousada, como de costume, e as outras partes técnicas, como a fotografia “branca”, funcionam tanto quanto. O elenco conta também com Danny Glover, Alice Braga e Gael Garcia Bernal. Da adaptação do roteiro não posso falar, mas o próprio Saramago disse ao diretor “estar tão feliz de ter visto o filme como estava quando acabou de escrever o livro”. Parece que prestou, né?

O filme é do tipo que me agrada bastante. Agora vou ver se arranjo tempo para ler o livro. Da próxima vez que eu me atrever a analisar obras como esta, não quero ficar limitado a uma análise sem vergonha como a minha.  Cultura são os óculos que corrigem visão limitada. Queiram sempre mais.

“- Por que foi que cegamos?

– Não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão.

– Queres que te diga o que penso?

– Diz.

– Penso que não cegamos, penso que estamos cegos. Cegos que vêem. Cegos que, vendo, não vêem.”

Isso é tudo, pessoal.

________________________________

Ezequiel Fernandes

4 respostas para Ensaio Sobre a Cegueira (2008)

  1. Gabriel Neves disse:

    Gosto tanto do filme quanto do livro. Acho o filme uma adaptação incrível – por mais que a obra literária de Saramago ainda se sobressaia – e passa aos poucos mensagens sobre a humanidade corruptível, que almeja o poder, que esquece a razão construída ao longo de uma história em poucos dias numa situação de desespero. É a luta por sobrevivência numa epidemia estrelada por uma Julianne Moore que não me deixava tirar os olhos da tela.
    Abraços!

  2. Victor Lucio disse:

    Ótima escolha! O filme é fantástico e muito fiel a obra literária. É deslumbramento certo tanto o livro quanto o filme!

  3. Natalia Xavier disse:

    Grande texto Ezequiel! Eu lembro que fiquei meio angustiada assistindo o filme. Ele nos leva a perceber que no final das contas, numa cidade inteira de cegos, sofre é aquele que tudo vê.

    Infelizmente tb não li o livro…

    Abs!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: